Há mais de 15 anos proporcionando a diversidade artística.

Fundada em 1994  a Produtora tem Realizado Produções e parcerias as mais diversas, tais como:

Espetáculos Teatrais  – Elogio da Loucura – 1995, 1996 e Loucura-Patrimonio Universal da Humanidade – 2001, B.B. O Virulento- Um Exercício Didático sobre a Guerra – 1997 e 1998, Aos Poucos Ouvidos Moucos que virão Falaremos um Pouco da Nossa Escuridão – 2000

 
 
 
 
 
 
 

Loucura-Patrimonio Universal da Humanidade-2001

Loucura-Patrimonio Universal da Humanidade-2001

 

Programas de Rádio – Coisas da Vida – Rádio Teatro- 2000, Curitiba de Todos Nós – 2000, Rotação Cultural – 1999 

 Audiovisual – A Coisa – Vídeo Arte – 1995, Poemas de Adélia Prado – TV – 1998

Música – realizou a primeira Ópera Infantil do Brasil (Curi-Tim – A Lenda de Curitiba) produzindo um CD.

1ª Ópera Infantil

1ª Ópera Infantil

Atualmente a produtora está com projetos aprovados e outros em análise técnica na Lei Federal de Incentivo a Cultura com projetos na área de Artes Cênicas (musical), de música (Shows), Literatura (Revista) e Audiovisual (Curtas Metragens); além de parcerias com outras produtoras no país.

Anúncios

          CHICO ANYSIO, o Gênio do Humor e da arte nos deixam órfãos, mas suas mais de 200 criações fantasticas e quase que verdadeiras no sentido de tratarmos com cada uma delas como pessoas de carne e osso e não como personagens de uma criação. Essas pessoas todas estarão aí para revermos sempre, alem de nossas lembranças de um Chico City ou de uma escolinha a tecnologia nos permite ver e rever incansavelmente esse mestre. E um mestre critico, inventor da Comedia de cara limpa muito em voga hoje. 

Vá com Deus Mestre! Com certeza o Mundo dos Espíritos estão fazendo uma

grande festa para te receber. Nós ficaremos aqui com nossas lagrimas de saudade e com a certeza de ter tido o privalegio de um dia ter vivido no seu mundo,muitas vezes injusto e que você tratava de fazer sorrir.

                            

                                                                  

         “- É Mentira Terta? Verdaaaade

(Pantaleão – Chico Anysio)

 

 

PELO MENOS AQUI, PORQUE ACREDITO QUE O MUNDO DOS ESPÍRITOS FICOU MAIS RICO COM A PRESENÇA DESSE MESTRE DO TEATRO, UM DOS MAIORES ATORES QUE TIVEMOS.

Em uma alusão a primeira telenovela exibida e produzida pela TV Globo – Ilusão Perdida – dirigida pelo próprio protagonista deste post, é com pesar escrevo que morre aos 88 anos Sérgio Pedro Corrêa de Britto um dos maiores atores do teatro brasileiro, um verdadeiro mestre e profundo conhecedor da arte da interpretação. Participou do primeiro elenco do Teatro de Arena e também de outras companhias como de Maria Della Costa e do TBC (Teatro Brasileiro de Comedia) quando em 1959 funda sua propria companhia ao lado de Fernanda Montenegro, Italo Rossi, Gianni Ratto, Fernando Torres, Luciana Petruccelli e Alfredo Souto de Almeida – a companhia Teatro dos Sete que um ano depois recebe de Nelson Rodrigues uma peça escrita especialmente para eles – O BEIJO NO ASFALTO.

Uma pena não termos mais você por aqui nos presenteando com seu talendo e com seus comentarios o qual podiamos ver semanalmente na TV Brasil com o programa Arte com Sergio Britto, que foi ganhador do Premio Shell de Melhor ator em 2009.  Quem quiser saber um pouco mais sobre pode ler sua autobiografia lançada em 2010 – O Teatro e EU.

Vai com Deus na estreia de outros palcos!!!!

MERDE ET SE CASSER UNE JAMBE !

Leiam também a Coluna de Deolinda Vilhena no Terra, muito bom é só acessar link abaixo:

Sérgio Britto dos 12, dos 7, dos 4 e Único

Acesse link abaixo e saiba tudo sobre o lançamento do novo filme da diva Francesa:

[http://video.br.msn.com/watch/video/catherine-deneuve-divulga-seu-novo-filme-potiche/1m07cziry?cpkey=c0c80c6c-1577-45b8-8bdc-48bfc287f394%7c%7c%7c%7c]

 

Por Vanêssa Cançado

 De Botucatu para outros mundos.

Ítalo Balbo Di Fratti Coppola Rossi morre aos 80 anos e deixa o nosso teatro órfão. Após 50 anos de carreira fecham-se as cortinas. O ator, que estava internado no Hospital Copa D’Or por complicações respiratórias, havia dois dias cala-se para sempre. Pelo menos por aqui e com certeza arrepiará as espinhas de muitos mundos por aí. Seu sepultamento será as 16h no Cemitério do Caju, caso alguém queira dar um ultimo aplauso pessoalmente.

Ator de uma interpretação de personalidade unica foi um dos fundadores do Teatro dos Sete juntamente com os colegas Sergio Britto, Fernanda Montenegro e Fernando Torres. Italo foi também um dos atores do TBC.  La interpretou diversos espetáculos sendo entre eles: Vestir os Nus de Pirandello e  Um Panorama Visto da Ponte de Arthur Miller isso nos anos 50.

De lá para cá recebeu diversos prêmios e teve uma atuação maravilhosa. Seus trabalhos mais expressivos foram na decada de 70 com: “Doroteia Vai a Guerra” de Carlos Alberto Ratton dirigido por Paulo José e “As Noites dos Campeões” com direção de Cecil Thiré e que lhe valeu um Premio Moliére.

Nos anos 90 Italo trabalha no teatro basicamente em peças dirigidas por Moacyr Góes. Mas o grande público mais acostumado a TV que ao Teatro o conhecia por atuações como cadjuvante apesar da solida carreira que empregou, uma divida que a televisão jamais poderá pagar. Um de seus ultimos trabalhos na Rede Globo foi o hilário homossexual Seu Ladir de “Toma Lá Da Cá”.

Como diria seu ultimo personagem: Italo Rossi você – É MARA!!!!

 

 

 

 

 

– De Buraco para o Rio de Janeiro.

Isso mesmo você entendeu certo, é Buraco a cidade fictícia do Nordeste em que se passa a história da peça Só Neguei que a Companhia Atores de Oliveira apresenta na próxima semana – dia 1º de Junho.

Neste lugar, um agiota paneleiro chamado Pimenta cobra dívidas com altos juros de seus devedores, incluindo a pobre e humilde Dona Henriqueta, por conta de uma simples panela de pressão. Endividada até o pescoço e não vendo saída, Henriqueta e sua fiel amiga beberrona Maroca pedem a Santa Edwiges, a padroeira dos Endividados, que lhe ajude nessa enrascada. Depois disso, a confusão está armada. Com a presença de Santa Edwiges, Anjo Gabriel e Ferrabrás (o diabo), Pimenta se vê às voltas com um marketeiro muito doido. Tudo isso por causa de uma única panela de pressão.

 

Com Direção, dramaturgia e cenografia de Léo Oliveira o espetáculo conta ainda na parte técnica com  Suzana Oliveira assinando os Figurinos e a iluminação de César Simão.

No Elenco:  Beto Gonçalves; Enrico Callado; Ju Ferraz ; João Paulo Nóbrega; Natalie Nassif ; Alineh Moura; Igor Girard

SERVIÇO:

Quando: 01/06 até 27/07 Todas as Quartas as 20h

Onde: Espaço Imaginário – Lapa Café (Rua Gomes Freire, 457 – Lapa – Rio de Janeiro)

Quanto: R$20,00 (inteira)/ R$10,00 (meia)

Classificação: Livre



No dia 22/03 a atriz Beth Goulart subiu ao palco do Complexo Victoria no Jockey Clube para apresentar a 23ª edição do Prêmio Shell de Teatro. O espetáculo “Pterodátilos” foram os grandes vencedores da noite para premiação dos indicados no Rio de Janeiro que levou três prêmio (melhor ator, atriz e cenário). E na versão para São Paulo quem leva três premios é o espetáculo “Escuro” (Cenário, Figurino e Autor ).

Homenageada-versão do premio no Rio de Janeiro:

Nathalia Timberg pela magnitude de sua carreira teatral, pródiga em desempenhos construídos com densidade, elegância e competência.

O júri do Rio de Janeiro foi formado por:

  • Fabiana Valor (atriz e bailarina)
  • Jorginho de Carvalho (iluminador)
  • João Madeira (diretor do grupo AfroReggae)
  • Sérgio Fonta (dramaturgo, diretor e ator)
  • Tania Brandão (pesquisadora e professora de História do Teatro Brasileiro).

Confira a lista de indicados e dos Ganhadores (em Vermelho) para Rio de Janeiro:

Autor:
(2º semestre)
Newton Moreno por “Maria do Caritó”
Pedro Bricio por “Comédia russa”
(1º semestre)
Denise Crispun e Melanie Dimantas por “A carpa”
Jô Bilac por “Savana glacial”

Direção:

Emílio de Mello por “Deus da carnificina”
João Fonseca por “Maria do Caritó”
Christiane Jatahy por “Corte seco”
Gilberto Gawronski por “Dona Otília e outras histórias”
Inez Viana por “As conchambranças de quaderna”

Ator:
(2º semestre)
Marco Nanini por “Pterodátilos”
Paulo Betti por “Deus da carnificina”
Pierre Baitelli por “Hedwig e o centímetro enfurecido”
(1º semestre)
Alexandre Schumacher por “Vicente Celestino – a voz orgulho do Brasil”
Roberto Bomtempo por “Tomo suas mãos nas minhas”

Atriz:
(2º semestre)
Lilia Cabral por “Maria do Caritó”
Mariana Lima por “Pterodátilos”
Sylvia Bandeira por “Marlene Dietrich – as pernas do século”
(1º semestre)
Miriam Freeland por “Tomo suas mãos nas minhas”
Totia Meireles por “Gypsy”

Cenário:
(2º semestre)
Nello Marrese por “Maria do Caritó”
Daniela Thomas por “Pterodátilos”
(1º semestre)
Fernando Mello da Costa e Rostand Albuquerque por “Tomo suas mãos nas minhas”
Helio Eichbauer por “Caderno de memórias”

Figurino:
(2º semestre)
J.C. Serroni por “Maria do Caritó”
Marcelo Pies por “Hair”
(1º semestre)
Claudio Tovar por “A gaiola das loucas”
Marcelo Pies por “Gypsy”

Iluminação:
(2º semestre)
Maneco Quinderé por “Antes da coisa toda começar”
Paulo César Medeiros por “Hair”
(1º semestre)
Maneco Quinderé por “Tomo suas mãos nas minhas”
Tomás Ribas por “Rock Antygona”

Música:
(2º semestre)
Alexandre Elias por “Maria do Caritó”
Danilo Timm e Evandro Mesquita por “Hedwig e o centímetro enfurecido”
(1º semestre)
Marcelo Alonso Neves por “As conchambranças de quaderna”
Roberto Bürgel por “No piano da patroa”

Categoria especial:
(2º semestre)
André Curti e Artur Ribeiro pela singular linguagem corporal aplicada no espetáculo “Fragmentos do Desejo”
Miguel Vellinho pela maestria na linguagem de manipulação de bonecos e pela sensibilidade em harmonizar o universo de Andersen com a obra musical de Dorival Caymmi no espetáculo “Marina”
(1º semestre)
Flavio Salles e Janice Botelho pela remontagem, adaptação e criação das coreografias de “Gypsy”
Gaspar Filho pela preparação de esgrima no espetáculo “A marca do Zorro”.

 

Confira a lista de indicados e dos Ganhadores (em Vermelho)do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo:

Homenageada – versão do prémio para São Paulo:

Maria Alice Vergueiro, paladino do teatro experimental brasileiro.

São Paulo

O júri de São Paulo foi formado por:

  • Alexandre Mate (professor e pesquisador teatral)
  • Valmir Santos (jornalista)
  • Marici Salomão (autora teatral e jornalista)
  • Mario Bolognesi (professor e pesquisador de teatro)
  • Noemi Marinho (atriz, dramaturga e diretora).

Autor:
(2º semestre)
Giovana Soar, Marcio Abreu e Nadja Naira por “Vida”
Leonardo Cortez por “Rua do medo”
(1º semestre)
Francisco Carlos por “Namorados da catedral bêbada”
Leonardo Moreira por “Escuro“

Direção:
(2º semestre)
Eduardo Tolentino de Araújo por “12 homens e uma sentença”
Rodolfo García Vásquez por “Roberto Zucco”
(1º semestre)
Leonardo Moreira por “Escuro”
Rodolfo García Vázquez por “Hipóteses para o amor e a verdade”
Zé Henrique de Paula por “Side Man”

Ator:
(2º semestre)
Luciano Chirolli por “As três velhas”
Norival Rizzo por “12 homens e uma sentença”
(1º semestre)
Fulvio Stefanini por “A grande volta”
Lee Thalor por “Policarpo Quaresma”
Otávio Martins por “Side man”

Atriz:
(2º semestre)
Bel Kowarick por “Dueto para um”
Bete Dorgam por “Casting”
(1º semestre)
Ana Lucia Torre por “Seria cômico se não fosse sério”
Luciana Paes por “Escuro”

Cenário:
(2º semestre)
Fernando Marés por “Vida”
Marcelo Maffei por “Roberto Zucco”
(1º semestre)
Jean-Pierre Tortil por “Side Man”
Marisa Bentivegna e Leonardo Moreira por “Escuro”

Figurino:
(2º semestre)
Isabela Teles e Edson Braga por “Bixiga – um musical na contra mão”
Simone Mina e Carolina Bertier por “As três velhas”
(1º semestre)
Rosângela Ribeiro por “Policarpo Quaresma”
Theodoro Cochrane por “Escuro”

Iluminação:
(2º semestre)
Alessandra Domingues por “As três velhas”
Caetano Vilela por “Dueto para um”
(1º semestre)
Beto Bruel por “Cinema”
Wagner Antônio por “H.A.M.L.E.T.”

Música:
(2º semestre)
André Abujamra por “Vida”
Maestro Fabio Prado por “Bixiga – um musical na contra mão”
Wilame A.C por “Milagre brasileiro

(1º semestre)
Fernanda Maia por “Lamartine Babo”
Pedro Paulo Bogossian por “Nara”

Categoria especial:
(2º semestre)
Cia. Elevador Panorâmico de Teatro pela pesquisa e criação do espetáculo “Do jeito que você gosta”
Companhia Club Noir pela pesquisa e criação de “Tríptico [Richard Maxwell] – Burger King, Casa e O fim da realidade”
Grupo Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes pela pesquisa e criação de “A saga do menino diamante – uma ópera periférica”
(1º semestre)
Karin Rodrigues pelo encaminhamento e socialização do acervo pessoal de Paulo Autran a instituições culturais
Luiz Päetow pela concepção e pesquisa do espetáculo “Abracadabra”

 

Por Vanêssa Cançado


A Rainha dos olhos cor violeta do Cinema  Americano nos deixou aos 79 anos devido a uma insuficiencia cardiaca. Ela que encheu nossos Olhos preenchendo as telas dos cinemas com sua beleza e talento. A Diva que fez muitos corações felizes, infelizmente calou o seu e deixa o cinema, 4 filhos, 10 netos e 4 bisnetos.

A grande Diva de Hollywood da adeus e nós órfãos suditos também nos despedimos das Cleopatras, Das Megeras Domadas, Martha (de Quem Matou Virginia Woolf?), a menina de Lessie e muitas outras personalidades que nos encantara. Agora teremos que recorrer as locadoras para poder revê-la e matar a saudade.

Liz Taylor que Deus ilumine seu caminho a você uma das maiores divas que o cinema Hollywoodiano ja teve e que dá Adeus as Ilusões!